08 fevereiro 2014

PARA SEMPRE




Eu queria escrever sobre você, mas não sei bem o quê.
Escrever o que mais sobre quem já me levou todas as palavras?
Quais adjetivos mais utilizar para falar destes teus lindos olhos verdes que foram durante tanto tempo minha mais repleta fonte de inspiração?
Escrever mais o quê sobre esse nosso Conto de Fadas repleto de fases de separação?



A primeira separação foi de sala. Cada um de um lado do corredor; a segunda, de horário: você de manhã e eu à tarde; a terceira, de escola e finalmente a quarta, que foi de cidade. E foi nessa separação mais significativa que a gente se fez mais próximo.




Começaram as cartas. Promessas mais lindas de amor contidas dentro de um envelope. O carteiro era o meu melhor amigo, pois trazia para mim um pedaço teu e eu mal podia acreditar. Queria esfregar na cara de todas aquelas garotas oferecidas - todas aquelas que um dia desejaram você - que você me escolheu. O cara mais lindo da escola era enfim da garota sem graça. E depois das cartas veio o celular e as mensagens, que fizeram o tempo de espera por uma palavra sua diminuir e minha alegria aumentar.



Um dia, um maravilhoso 8 de fevereiro, me trouxe, depois de 7 anos, o tão desejado presente: teu beijo. Foi tão lindo, tão desajeitado e mesmo assim tão perfeito... Aquela sensação de felicidade interminável ainda hoje se faz presente...



E foi assim que a distância nos aproximou. Passaram-se 7, 8 10, 14 anos e a cada encontro descobríamos uma nova emoção. Um dia de um fim de semana a cada período de tempo era o que a gente tinha e cada minuto com você era tudo para mim.
Cada beijo, cada abraço, cada toque, cada palavra estão aqui guardados, tão vivos, como se fossem palpáveis.



Um dia a distância pesou. Eu não te esperei para sempre e você também não me esperou. As diferenças se fizeram sólidas. Outras pessoas vieram. Um silêncio sobre nós se abateu até... aquele e-mail. Onde você confessou tudo o que sentia e que eu não  consegui confessar. Toda a saudade tão clara em mim, estava também em você. O teu pensamento voltado para mim, assim como o meu para você. Toda a lembrança e a curiosidade de saber como eu estou... Tudo o que eu sentia e reprimia por causa das circunstâncias, você sentia também.
Por quê? Por que você tinha que mandar esse e-mail para mim???



Eu já tinha me conformado com a situação, já tinha te transformado na minha lembrança mais linda, já tinha aceitado o fato de que eu e você nunca mais seríamos nós... Mas você voltou. Como sempre volta. Toda vez que sente que vai me perder. Você volta. Você voltou. E reacendeu a chama. E reviveu as memórias. E me fez querer de novo.
Hoje, 16 anos depois daquele dia em que me descobri apaixonada pelo cara mais lindo da escola, você trouxe tudo de volta. Você confirmou as minhas suspeitas de que não importa o quanto esse mundo gire, quanto tempo se passe, quais sejam as circunstâncias e diferenças que nos separem, de um modo ou de outro, sempre vamos estar presentes na vida um do outro. Perto ou longe, presente ou em forma de lembrança eu vou ser sempre sua e você vai ser para sempre meu.




"E quando eu falo que eu já nem quero
  A frase fica pelo avesso, meio na contramão
  E quando finjo que esqueço
  Eu não esqueci nada...

  E cada vez que eu fujo eu me aproximo mais
  E te perder de vista assim é ruim demais 
  E é por isso que atravesso o teu futuro
  E faço das lembranças um lugar seguro
  Não é que eu queira reviver nenhum passado
  Nem revirar um sentimento revirado
  Mas toda vez que eu procuro uma saída
  Acabo entrando sem querer na tua vida..."

(Ana Carolina - Quem de Nós Dois)

2 comentários:

  1. Ju, o que posso dizer sobre esse texto, minha flor? Falar da vontade que ele se entendesse além do espaço desse post? Que se ele virasse um livro, eu seria uma das primeiras a comprá-lo? Que linda história, mana! Que lindo texto!!! Que o final de tudo, eu desejo, seja imensamente feliz!!! Beijo!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ohhhh Malu muito obrigada! Eu também queria que este texto fosse muito além dessa postagem, já até tentei mas acho que não era hora... quanto ao final feliz, acho q pelo menos por enquanto, temos que chamá-lo final adequado. Para ser feliz preciso de uma virada daquelas bem novela mexicana viu? Kkkk . Obrigada película carinho.

      Excluir

Obrigada pela sua visita!
Ficaremos muito felizes com teu comentário!

Att,
Nós, Poéticos e Literários!
nospoeticos@gmail.com

Design por Amanda
[ voltar para o topo ]