31 março 2014

Minuano

Olá Amigos leitores.

Hoje trago um poema para balançar nosso fim de manhã!

O poema é de Augusto Meyer, poeta, jornalista, ensaísta, folclorista e memorialista gaúcho:



Minuano

Este vento faz pensar no campo, meu amigo,
Este vento vem de longe, vem do pampa e do céu.

Olá, compadre, levanta a poeira em corrupios,
Assobia e zune encanado na aba do chapéu.

Curvo, o chorão arrepia a grenha fofa,
Giram na dança de roda as folhas mortas,
Chaminés botam fumaça horizontal ao sopro louro
E a vaia fina fura a frincha das portas.

Olá, compadre, mais alto, mais alto!

As ondas roxas do rio rolando a espuma,
Batem nas pedras da praia o tapa claro...
Esfarrapadas nuvens galopeiam
no céu gelado, altura azul.

Este vento macho é um batismo de orgulho.
Quando passa, lava a cara, enfuna o peito,
Varre a cidade onde eu nasci sobre a coxilha.

Não sou daqui, sou lá de fora...
Ouço o meu grito gritar na voz do vento:
- Mano poeta, se enganche na minha garupa!

Comedor de horizontes,
meu compadre andarengo, entra!

Que bem me faz o teu galope de três dias,
quando se atufa zunindo na noite gelada...

Ó Mano,
Minuano,
Upa upa
na garupa!

Casuarinas, cinamomos, pinhais,
Largo lamento, gemido imenso, vento!
Minha infância tem a voz do vento virgem:
Ele ventava sobre o rancho onde morei.

Todas as vozes numa voz, todas as dores numa dor,
Todas as raivas na raiva do meu vento!
Que bem me faz! mais alto, compadre!
Derruba a casa! me leva junto! eu quero o longe!
Não sou daqui, sou lá de fora, ouve o meu grito!

Eu sou irmão das solidões sem sentido...
Upa upa sobre o pampa e sobre o mar..

Um abraço a todos! 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pela sua visita!
Ficaremos muito felizes com teu comentário!

Att,
Nós, Poéticos e Literários!
nospoeticos@gmail.com

Design por Amanda
[ voltar para o topo ]