14 maio 2014

A pedra e o caminho

Imagem We Heart It

Sua única certeza, naquele momento, era a imediata necessidade de partir. Consciente disso, tentava se mostrar segura e confiante àqueles que ficariam esperando a sua volta, torcendo para que ela conseguisse realizar tudo que foi cuidadosamente planejado. Sim, haviam os objetivos traçados. Metas cujo o cumprimento dependeriam exclusivamente dela. Ali, perto dos seus, rodeada de amigos e de todos que a queriam bem, tudo era muito mais fácil, bem mais simples... Imaginar-se longe, porém, fazia com que perguntasse a si mesma: Será que conseguiria? Confiou em Deus e nas pessoas que desejavam seu "sucesso" e partiu.

A "caminhada" seria longa... Logo no início, percebeu que apesar da saudade e da imensa vontade de que tudo terminasse logo, ela poderia vivenciar bons momentos e fazer daquela "viagem" uma experiência agradável. E foi exatamente isso que fez! Começou a aproveitar a companhia dos que também viajavam com ela. Aos poucos, acabou reconhecendo em alguns, pessoas muito queridas que, sem que ela soubesse, tinham-na precedido, só para estarem ao seu lado nos momentos em que ela precisasse. Agradecida, sentiu-se mais forte e prosseguiu viajando.

O tempo foi passando... Todos seguiam o "itinerário programado". Cada um tinha o seu, mas, eles sempre acabavam se encontrando. E ela... Ora se mostrava entusiasmada com os lugares que conhecia e com as paisagens lindas que avistava as margens do caminho... Ora se retraía a um canto e se deixava ficar sozinha, languidamente curtindo a falta que sentia do lugar e das pessoas que deixara para trás. Esses momentos eram desertos dentro de si mesma e ela aprendeu a respeitar.

A viagem foi seguindo seu curso e, agora, quando tudo seguia conforme as decisões que ela tomava durante o trajeto, já não sabia se estava conseguindo cumprir os objetivos iniciais - aqueles que a levaram até ali . Já fazia tanto tempo desde a sua partida... A segurança inicial começou a dar lugar ao medo. Medo de perder tempo, medo de regressar e perceber que nada valeu a pena. Ao ter este pensamento, ela sentiu o peito apertar. Isso foi o bastante para que, em determinado momento no meio do caminho, sua visão se voltasse para uma pedra. Uma "pedra não muito grande e não muito pequena", bem ali, impedindo a sua passagem. De repente tudo começou a fazer sentido!

Enquanto fixava o olhar naquela rocha, tentando descobrir uma forma de tirá-la dali ou passar por ela, relembrou que esse era o seu grande desafio. A pedra tirada do caminho representaria a vitória sobre o seu medo; o controle sobre si mesma e sobre seus sentimentos; e, principalmente, o fim da dependência emocional sob a qual ela mesma se colocava. Ter isso em mente a paralisou completamente. Não mais se sentia preparada... A pedra crescia aos seus olhos de um momento para outro. Era só o que ela, agora, conseguia notar.

A viagem continua, mas, hoje, ela se encontra voltada - literalmente - para o obstáculo que a impede de seguir... Não consegue perceber tudo que existe a sua volta: os campos, cheios de margaridas, que margeiam o caminho; a paisagem que se mostra acima da pedra, com o céu de um azul sublime; as pessoas que estão ao seu lado, prontas para ajudá-la, bastando apenas que ela peça ajuda. A única coisa que quer no momento é voltar para casa. Não quer desistir da viagem e afasta de si todo e qualquer pensamento nesse sentido. Por outro lado, não se sente com forças para sair do lugar onde se encontra. A pedra continua lá...


*Uma viagem pelo poema de Drummond
----
Oi, gente!! Esse texto não é novo, foi escrito em 15/01/2010, mas é bem atual, se é que vocês me entendem. Resolvi postá-lo aqui porque ele me veio à memoria juntamente com a percepção de que a tal pedra já não parece tão grande, e muito menos intransponível. Acho que isso é bom, né? rs
Beijo em todos!  

Malu

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pela sua visita!
Ficaremos muito felizes com teu comentário!

Att,
Nós, Poéticos e Literários!
nospoeticos@gmail.com

Design por Amanda
[ voltar para o topo ]