07 agosto 2014

Café com amor 5





Também tenho medo de amar
Por Manueli Dias

Era mais um começo de expediente no coffee. E como sempre, bastante movimentado, todas as mesas ocupadas, e uma fila de clientes para pagar e fazer novos pedidos. Além do tradicional café e suas derivações, para quem frequentava aquele lugar uma das coisas qual nunca faltava era o meigo e sincero sorriso com o qual Letícia sempre atendia os clientes.

- Obrigada, senhora. Próximo, por favor...
- Oi Letícia.
- O que você está fazendo aqui?
- Quero falar contigo!
- Já disse tudo que tinha pra dizer, vai embora. Próximo!
- Não! Letícia me escuta, melhor, me explica o que foi aquilo, porque essa decisão?!
- Eu já te disse, eu não quero mais olhar esses teus olhos que me deixa sem noção, não quero pensar em você, muito menos sentir o teu cheiro que me faz pensar que estou louca.
- Viu, você também me ama! Por que fazer isso então.
- É exatamente isso, eu não quero te amar, não mais do que já amo.
- Mas eu te amo!
- Escuta Felipe, eu conheço muito bem o coração que tenho, ele se entrega, entrega, e sofre. Sabe, um dia, um belo dia, você vai chegar e dizer que não dá mais, ou talvez, a gente comece a se afastar, e quando perceber, estaremos dois desconhecidos dividindo o mesmo espaço.
- Letícia...
-Não, para. Para com isso. Vai embora, eu preciso trabalhar.

Felipe se afastou e deu espaço para o cliente já nervoso que estava esperando. E cada vez mais se afastando, olhando para Letícia, notando que apesar de atender os clientes com um belo sorriso, hoje seus olhos deixavam algumas lágrimas escapar. Acontece que ele não esteja disposto a desistir, ele também não sabia como seria o futuro de ambos, se é que eles teriam um futuro, mas ainda assim, ele não poderia desistir.

A última mesa, bem atrás, escondida acabara de vagar, e ele se sentou. Ficou ali por toda a manhã, observou as pessoas que ali chegaram e saíram, as histórias que aconteciam. Observava Letícia, percebera o quanto ela gostava do que fazia, apesar de não gostar de café. Viu ela sair para o almoço e retornar quase duas horas depois, passou a tarde ali, observando e admirando-a.
Quando o expediente terminou, só faltava uma mesa fechar a conta, era a que Felipe estava, sem restrições ele levantou-se e começou:

- Eu sei que você gosta de rosas, mais prefere mesmo é o perfume dos jasmins.
Sei que não gosta de café, mas ama o que faz. Sei que você é viciada em chocolate, mas tem que ser aquele com recheio de licor de passas. Sei que você mora sozinha e gosta disso. Sei que você nunca me dará atenção quando estiver vendo os vídeos do Chico Buarque. Sei que você rouba o cobertor quando está dormindo, que não tem medo do escuro, mas a luz do abajur deve ficar acesa... Eu sei tantas outras coisas, das mais simples, as mais terríveis, e eu te amo em cada uma dessas coisas, cada detalhe que é você, eu amo.
- Felipe...
- Deixe eu terminar, por favor... deixa eu terminar.
- Tá...
- Acontece que, apesar de te amar, eu também não sei como será eu e você. Olha só, somos diferentes em tantas coisas, o que vai nos gerar muitas brigas, mas também nos completamos, nossos momentos são perfeitos. E o que você tem, é medo. Mas eu também tenho medo. Tenho medo de um dia acordar e você me deixar, de me trocar por alguém mais bonito ou interessante que eu, duvido muito que exista alguém mais bonito e interessante, mas você pode assim o achar, bom, o que eu quero dizer, é que eu também tenho medo de amar, mas não quero deixar esse medo me impedir de ser feliz, e minha felicidade será muito melhor contigo.

Letícia sorriu e se jogou nos braços de Felipe, ela não perdera o medo, mais sabia que viver aquele presente que a vida estava lhe dando era melhor do que ficar se torturando ao pensar em como poderia ter sido. Ou ainda tentando tirar a imagem de Felipe da sua mente.

Os outros funcionários do coffee que assistiram toda a cena, teceram comentários por várias semanas, alguns acham que tinha sido a declaração mais linda por eles vista, outros que era exibicionismo demais, a minoria preferiam torcer em silencio.
E o que se sabe é que até hoje, Letícia e Felipe mesmo com seus contratempos vivem felizes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pela sua visita!
Ficaremos muito felizes com teu comentário!

Att,
Nós, Poéticos e Literários!
nospoeticos@gmail.com

Design por Amanda
[ voltar para o topo ]