20 novembro 2014

Dia da consciência mestiça!


Eis que saí da minha terra, para da terra de outros cuidar.
Uma terra tão distante da minha, que ficava do outro lado do mar. Eu arei a terra, plantei, colhi. E mal consegui um leito para deitar.

Deitar meu corpo cansado,
Meu corpo dolorido,
De sangue escorrido,
Do flagelo no tronco,
Como castigo,
Pelo atrevimento de para minha terra querer voltar.

Chorei por nada
Sangrei por tudo,
Com o vermelho de meu sangue,
Misturado ao sangue de outros cativos, feito eu,
A tal pátria escreveu sua história e obteve glória.

Eu?
Eu fui feito de burro de carga;
Eu fui o negro fujão;
Eu fui o bicho reprodutor;
Eu fui a ama de leite;
Eu fui a negra da senzala;
Eu fui a negra atrevida;
Eu fui o capacho, o estorvo, o indolente;
Eu fui o negro liberto abusado;

Eu?
Eu só não fui gente,
Eu só não fui respeitado;
Eu fui esquecido;
Eu fui desprezado, rejeitado;

Mas, eis que eu fui Zumbi dos Palmares;
O negro bendito; Líder dos cativos;
Que a honra e a dignidade resgatou na luta;

Hoje, tenho certeza que meu sangue não é nobre;
Também não é apenas negro;
Meu sangue é mestiço,
Tingido do mesmo vermelho que o seu!
É este o sangue que corre nas minhas veias,
De vermelho vivo, que muitas vezes limpei nos curativos do branco ingrato e altivo;

Eu?
Penso de que nada vale o orgulho,
Os pré-conceitos; A arrogância;
Se na hora da morte e da dor, não temos cor;
Se quando se sangra, o vermelho é igual;
A verdade é que do barro que fomos feitos,
Na vala de um dia, será a coberta do leito,
Onde descansaremos nossas agonias;

- Manueli Dias, 20 Nov


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pela sua visita!
Ficaremos muito felizes com teu comentário!

Att,
Nós, Poéticos e Literários!
nospoeticos@gmail.com

Design por Amanda
[ voltar para o topo ]