07 fevereiro 2015

Vislumbre



Foi o que bastou para me assustar.

Uma bermuda. A pose descontraída, as mãos nos bolsos.
O boné.
O jeito de olhar para cima.
O contorno das costas sob a camiseta.
E até o formato da boca.

Bastou estar naquela cidade.
Andar o dia todo sob o sol, esperando o momento em que você fosse surgir, saído de algum lugar e se postar na minha frente obstruindo o meu caminho.
Bastou ver um garoto qualquer, ligeiramente parecido, para que meu coração saltasse do peito para a garganta e viesse parar na minha mão.

Bastou um vislumbre, para que tua sombra surgisse novamente em meu caminho e me fizesse perceber - novamente - que não foi pequeno o rombo que você deixou no meu coração.

Um comentário:

  1. Aaah...
    Basta uma semelhançazinha de nada para o coração descompassar, né Ju? Seja uma voz que soe igual aos nossos ouvidos, um jeito de andar ou mesmo um quê indefinido que a gente nem consegue identificar... A lembrança traz tudo de volta e faz o passado parecer presente, pelo menos nas batidas do nosso coração. :)

    Sei como é isso, gêmea!

    Lindo texto! Beijos!

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua visita!
Ficaremos muito felizes com teu comentário!

Att,
Nós, Poéticos e Literários!
nospoeticos@gmail.com

Design por Amanda
[ voltar para o topo ]