30 julho 2015

De quando não sou forte...

Ao perceber que era você quem se aproximava, a passo leve e com o mesmo olhar malvado, eu deveria ter saído correndo na direção contraria. Talvez, deveria ter gritado pedindo ajuda, mas, ignorando todos os meus instintos, todos os avisos de alerta que meu corpo dava, eu fiquei ali, parada, apenas sentindo cada vez mais a sua aproximação.
E quando me abraçastes, ah... e eu já conhecia o teu abraço, e mesmo sabendo do mal que me causaria depois. Fiquei acomodada nele, por ser confortável, por ter um cheiro conhecido.
Você é feito aquelas crianças que quer muito um brinquedo, e depois que tem, simplesmente joga em um canto qualquer. Talvez, um dia dê saudades, e você volte a usar o brinquedo. Talvez não...
Talvez, de uma próxima vez, eu esteja mais forte e corra para o outro lado. Esteja mais forte para gritar, e até mesmo, bater à porta na tua cara! Mas, agora, por hora, fica assim...

Manueli Dias

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pela sua visita!
Ficaremos muito felizes com teu comentário!

Att,
Nós, Poéticos e Literários!
nospoeticos@gmail.com

Design por Amanda
[ voltar para o topo ]