01 outubro 2015

Uma hora, tudo sucumbe!


Aos poucos ou de repente, chega um momento qual tudo perece. De uma em uma, ou aos montes, as rachaduras vencem a parede e ela cede, a água ganha do ferro e ele desiste. Tão que o pequeno abrigo de paredes alvas e chão em terra falece. A terra vira lama, as paredes perdem o tom leve e releva as cores pesadas, de pinturas passadas. Metro por metro, o abandono invade o lugar, tomando posse, tirando o ar até sufocar. E nada pode ser feito pelo abrigo, agora vazio.



Inspirado pelo livro A Metamorfose*


Um comentário:

  1. Paredes caem, mas sempre sobram eretos os seios que alimentam os que nascem e lutam para amarem os seios e paredes, que caem ... teu texto é mágico enquanto imagem. Gostei

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua visita!
Ficaremos muito felizes com teu comentário!

Att,
Nós, Poéticos e Literários!
nospoeticos@gmail.com

Design por Amanda
[ voltar para o topo ]