29 julho 2014

A decisão e o medo


Era dia de festa, mas eu não podia sair. A chuva lá fora estava assustadora e o meu medo da chuva era mais assustador ainda. Não era um medo repentino, era o medo de sempre. Aquele avassalador que mesmo depois dos vinte e cinco me fazia correr para debaixo da cama e fechar todas as janelas e portas da casa.

O pior nem era essa coisa de se esconder em baixo da cama, o Problema é que eu havia marcado um encontro com o Renato e faltava apenas vinte minutos para que ele chegasse à minha casa. Eu nem tinha escolhido a roupa ainda. Tomar banho na hora da chuva!? Inadmissível!!!

Queria ligar para ele, dar uma desculpa para não ir ao encontro, mas... Inadmissível usar o celular na hora da chuva!! Sniff!!!!. Eu já estava me achando uma louca varrida, doida de pedra. E os segundos pareciam correr no relógio, assim como as águas corriam nas ruas lá fora. 

Olhei o relógio, quinze minutos! Mas os homens sempre atrasam - eu pensava - pelo menos a maioria deles. Então, tinha mais uns quinze minutos para decidir o que fazer. Me afundei no cobertor que trouxera comigo para debaixo da cama e estava quase adormecendo quando a campainha tocou. 

Eu dormi! Meu Deus, eu dormi!!! E agora!? Fui correndo ao guarda roupa peguei uma calça jeans e um casado bem quente e quando abri a porta lá estava o Renato todo ensopado, espirrava tanto que nem dava para entender o que dizia. 

Depois de secá-lo e agasalhá-lo, ouvi sua voz entre os espirros dizendo:

- Podemos ficar por aqui hoje? Este tempo está terrível! 
- Podemos sim! - Respondi. E por sinal, gostaria de lhe mostrar meu esconderijo, caso você ainda queira descobrir alguns dos meus, tantos segredos.

Eu e Renato passamos a noite ali embaixo da cama, enroladinhos nos cobertores, longe da chuva e de todo aquele medo terrível, que eu tenho quase certeza que não me atingiu quando eu abri a porta e vi que ele precisava da minha ajuda...

E não pensem que meu esconderijo era apertadinho não. Há alguns meses eu havia suspendido a cama para casos especiais como este... rsr





6 comentários:

  1. Ouwn, Van!
    O medo, qualquer que seja ele, vai ser na maioria das vezes um obstáculo, né? Mas, em contrapartida, a Vida tem suas surpresas e sabedoria o bastante para aproveitar até o que seria um mau num bom momento. A guria teve sorte, esse Renato é um fofo! Agora, cá pra nós, fiquei imaginando essa cama suspensa! rs
    Lindo conto!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. kkkkk! Cama suspensa invenções que o medo nos traz. hehe!
    Que consigamos dar voltinhas assim no medo quando ele se atrever a passar muito perto de nós!

    Obrigada pela leitura Malu! <3

    ResponderExcluir
  3. Oi Vanessa
    Bem interessante esse jeitinho de driblar o medo.Mais interessante é a disposição do menino em usar o mesmo atalho que por sinal era bem aconchegante ,em dias de chuva pesada... rs
    Obrigada pela visita.Vou linkar seu blog para lembrar de voltar,
    um abraço

    ResponderExcluir
  4. Olá Vanessa, obrigada pela visita lá no blog, seja bem vinda!
    Eu também gostei muito daqui, visitarei sempre!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Oi Van

    Quero agradecer sua visita no meu cantinho.
    Que lugar mais gostoso para namorar e se aquecer.... ai ai rs...

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  6. Os tais reinos dos mundos de baixo das camas, dos sofás, das janelas e portas abertas

    Vim retribuir sua visita e doce comentário lá em meu blog

    Muita inspiração, imaginação, sonhos bons, realidade boa , paz e bem pra vc :)

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua visita!
Ficaremos muito felizes com teu comentário!

Att,
Nós, Poéticos e Literários!
nospoeticos@gmail.com

Design por Amanda
[ voltar para o topo ]